Bus Ride Notes

Posts tagged dreampop

Discografia Caipirópolis / Playlists

Discografia Caipirópolis Volume 3

A Discografia Caipirópolis nasceu pra mostrar que tem muita coisa boa sendo feita fora da capital.

Somos do interior de São Paulo e um dia decidimos fazer uma lista de bandas daqui, como várias delas não têm músicas nas redes de stream pra fazermos uma playlist, decidimos fazer uma coletânea.
Colocamos bandas do litoral também porque ninguém sabe se litoral é interior ou não, é uma questão de opinião.

Bom, lista feita, fizemos as edições necessárias e entre elas tiramos bandas com letras machistas, violentas, reacionárias ou coisas do tipo. Gostaríamos de pedir que vocês nos avisem caso deixarmos algo parecido passar.

No primeiro volume decidimos colocar apenas bandas com mulheres na formação, então tem de tudo, punk, crust, indie, synthpop, hard rock, folk, instrumental, etc.

A partir daí os volumes são divididos por gênero musical, o segundo volume contou com bandas de punk rock e hardcore melódico e esse terceiro volume com indie rock.

Acho que podemos dizer que o indie é bem amplo e um dos gêneros musicais mais mistos. A gente vê isso nessa coletânea, selecionamos bandas que acreditamos que se encaixam no gênero e elas soam muito diferentes umas das outras, mas você consegue ouvir o que elas têm em comum.

Abaixo você lê um pouco sobre cada banda que faz parte desse terceiro volume:

acho melhor não (Piracicaba)

Formada em 2011 e hoje com Ana Pi (baixo), Fabio Moretti (guitarra, programação), Fernando Bisan (bateria, synth, voz) e Rodrigo Toledo (guitarra), acho melhor não referencia no nome o conto “Bartleby, o escrivão”, de Hermann Melville. Dentre as misturas sonoras que a banda faz estão indie, garage, post-rock, lo-fi e música eletrônica. “Valorizamos o método ‘faça você mesmo’: gravamos, editamos e produzimos todos os nossos sons”.
“Dois Quartos” foi lançada como single em março de 2021.



Aldersgate (Santa Bárbara d’Oeste)

Formado pelos irmãos Gesiel e Gesse em 2016, Aldersgate é um duo de rock alternativo. Os irmãos tinham um projeto chamado G35, que inicialmente era um projeto solo de Gesse e contava com a participação de seu irmão e amigos. Após uma pausa de alguns meses, os dois resolveram fazer um novo projeto baseado em uma leitura artística e filosófica distinta, que nortearam tanto a composição dos arranjos quanto das letras. A banda já lançou dois singles, “Amanheceu” (2016) e “7 a 1” (2017), e um EP, “Farol” (2018).
“Avenida Dois” faz parte do EP “Farol” (2018).


Ceano (Campinas)

Formada em 2014 e hoje com André Vinco (guitarra e voz), Leonardo Rodrigues (baixo), Rafael Lira (guitarra) e Arthur Balista (bateria), a banda já lançou dois discos, “O Último Andar” (2014) e “Índice” (2016). “Repaginando influências como Delta Sleep, TTNG, Death Cab for Cutie e R.Sigma, o grupo entrega canções sobre o amadurecimento nos tempos atuais, desejos e a busca pela felicidade”. Hoje Ceano está no selo Eu Te Amo Records, por onde lançarão seu próximo disco.
“O Homem que Chorava” faz parte do disco “Índice” (2016).


Crime Caqui (Sorocaba)

Crime Caqui foi formada em 2017 por Fernanda Fontolan, May Manão, Yolanda Oliva e Larissa Lobo. O gênero musical proposto pelo grupo pode ser encaixado no indie/dream pop/post-rock, mas sem sombra de dúvida, as “caixinhas” sonoras são incapazes de medir a capacidade inventiva do quarteto. “Das descobertas da adolescência até o retorno de Saturno, os vocais e instrumentais bem elaborados e executados trazem como temas das composições o drama, a efemeridade das relações, os sentimentos que se embaralham, o empoderamento, a transformação e a construção da autoconfiança, dando voz ao que estava guardado e tornando quem ouve cúmplice dessas histórias, envolvendo o público em uma atmosfera etérea, sensível e confessional”.
“Naufragar” fará parte do primeiro disco da banda, “Atenta”, previsto para 2021.


Depois da Tempestade (Santos)

Formada em 2012 e hoje com Victor Birkett (voz), Mily Taormina (baixo, voz), Gutto de Albuquerque (guitarra), Maru Mowhawk (teclados, synth) e Bruno Andrade (bateria, beats), a banda tem três EPs, “Mutáv3l” (2015), “Eleva” (2013), “O Sol Nascerá” (2012) e um disco, “Multiverso” (2017), lançados. A banda mistura no seu som as influências de rock alternativo, post-hardcore, música latina e alt-pop.
“Transe” foi lançada como single em março de 2021, a faixa foi gravada ao vivo na live “Depois da Experience”.


Eugênio (Sorocaba)

Formada em 2017, hoje Eugênio é Sthé Caroline, Paulo Lins, Murilo Shoji e Ludmila Maroli. A banda tem dois EPs lançados, “Um Pouquinho de Nada” (2018) e “Longa História, Breves Fins” (2020), esse produzido por Mário Wry, da banda Wry, e gravado no estúdio Deaf Haus. “Em 2021 nascerá o nosso primeiro disco, ainda sem título, que contou com a produção de Martin Mendonça (Pitty), gravação do laureado de Grammys Eric Yoshino, com supervisão técnica de Fabio Pinczowski, mixado e masterizado pela lenda André T.”
“Foi Mal” faz parte do EP “Longa História, Breves Fins” (2020) e teve seu clipe gravado durante a pandemia com cada integrante mostrando um pouco de sua rotina no isolamento.


Infante (Jundiaí)

Formada por Caio Molena (vocal, guitarra), Fernando Lodi (vocal, guitarra), Guilherme Lucas (baixo) e Danilo Guarniero (bateria), a banda tem dois EPs, “Murphy” (2015) e “Retalhos e Pensamentos Mal Costurados” (2020), e um disco, “1991” (2016), lançados. Misturando influências que vão de Beatles ao rock alternativo e indie dos anos 90, são “rapazes de Jundiaí com instrumentos, tocando músicas e xingando fascistas desde 2012”.
“Paraíso Particular” faz parte do EP “Retalhos e Pensamentos Mal Costurados” (2020).


Íntimo Cotidiano (Águas de Lindóia)

Formada em 2018 e hoje com Guilherme Gotardelo (vocal), Marcelo Pereira (baixo, back vocal), Bruno Pennacchi (Guitarra) e Lucas Zampieri (bateria), a banda tem dois EPs, “Entre Cigarros e Cafés” (2018), “Vazio” (2020), e dois singles “Carnaval de Cinzas” (2018), “Darma” (2019) lançados. “Escrevemos música para expressarmos a confusão que é lidar com a vida incluindo os problemas internos como ansiedade e depressão. Temos uma sonoridade anos 90 e estamos sempre flertando com o pop, no entanto, soamos como uma banda de rock alternativo”. Apesar de não ser uma banda punk ou hardcore, estão envolvidos no cenário underground junto com outras bandas do circuito das águas que participam do evento Abbey Roça na cidade de Socorro, SP.
“Vazio” faz parte do EP de mesmo nome, lançado em dezembro de 2020.


Jupta (Jundiaí)

Formada em 2018 por Mateus Flores (vocais), Henrique Oliveira (bateria) e Daniel Martinho (baixo), a banda tem dois discos lançados, “Um Pouco de Paz Antes Que Tudo Acabe” (2019) e “Minha Casa é Longe Daqui” (2020). Inspirada por bandas como Foals, Muse e as brasileiras Fresno e Scalene, Jupta apresenta sonoridade moderna e por vezes familiar para os ouvintes menos atentos, criando identificações quase instantâneas junto ao público. Em 2019, a banda viu “Tarja Preta”, faixa do primeiro disco, ser eleita Hit do Ano no Prêmio Gabriel Thomaz de Música Brasileira, dentro da programação da SIM São Paulo.
“Mosca” faz parte do disco “Minha Casa é Longe Daqui” (2020).


Letty (Jundiaí)

Letty é cantora, compositora, guitarrista e inquieta. Criada no interior de SP, atirou-se na capital em 2015 com seu primeiro EP, “Anywhere But Here” – concebido e produzido por ela. Desde então, seguiram-se participações em importantes festivais como Distúrbio Feminino (2016) e Virada Feminista (2016), e mais dois EPs, “songs i should never have written” (2016) e “The Rolling Stones Were Always Wrong” (2018). Seu som incorpora elementos que flertam com punk, garage e grunge; um gênero híbrido que ela batizou de garagrunge.
“Aposentadoria” foi lançada como single em maio de 2020 e a versão que você ouve no nosso Bandcamp foi gravada exclusivamente pra essa coletânea!


Nosedive (Bauru)

Formada em 2019 e hoje com Gabriel (voz), Danilo (guitarra), João (guitarra), Ricardo (baixo) e Lucas (bateria), a banda lançou seu primeiro EP, “Dull Days”, em abril de 2020. “Com a proposta de criar um repertório intenso que mesclasse influências como o hardcore, post-rock e o rock alternativo dos anos 90, a sonoridade da Nosedive encontrou uma atmosfera carregada de tensão que flerta entre a agressividade e a sutileza”.
“Anxiety” faz parte do EP “Dull Days” (2020).


Os Últimos Escolhidos do Futebol (Bauru)

Formada em 2018 por João Albino, Léo Pacheco, Paulo Nunes, Pedro Nunes e Sinuhe LP, Os Últimos Escolhidos do Futebol é “uma banda marcada pela irreverência jovem no palco e a criatividade nas canções curiosas. Transitando entre o pop, o rock e o indie”. Em maio de 2020 eles lançaram seu primeiro EP, homônimo, gravado em 2019 no estúdio Gargolândia em Alambari (SP). Em novembro de 2020, lançaram o single “Bom Bom” sobre os tempos sombrios enfrentados na pandemia, e para 2021, planejam lançar mais três singles, antes do aguardado primeiro álbum.
“Berrini” foi lançada como single em junho de 2021.


Personas (São José dos Campos)

Formada em 2016 por Rodrigo Cerqueira (baixo, vocal), João Capecce (guitarra) e Fernando Cerqueira (Bateria), a banda lançou um EP, “Vazio” (2017), e um disco, “Nunca Foi pra Dar Certo” (2019). Em 2020, com a entrada de Pablo Hanzo (guitarra), a banda se tornou um quarteto e lançaram seu segundo EP, “Das Luzes Que Se Fundem com a Manhã”, em abril de 2021. “Personas mergulha em referências do underground brasileiro e americano, e faz um som que flerta com o emo, o indie e o rock alternativo, mescladas com letras em português que transmitem angústia e urgência, inspiradas em relacionamentos e conflitos pessoais”.
“Mar De Problemas” faz parte do EP “Das Luzes Que Se Fundem com a Manhã” (2021).


Quarto Escuro (Bauru)

Formada em 2019 e hoje com Willians (vocal, guitarra), Gustavo (guitarra), Joslui (baixo) e Júlio (bateria), a banda tem dois singles lançados, “Consequências” (2019) e “Dentes” (2020). “Com o intuito de fazer música autoral, a Quarto Escuro nasceu através de canções intimistas escritas como uma forma de expressar momentos e sentimentos. Fazendo rock alternativo com influencias de post-hardcore, transitando entre o leve e o pesado, tem como inspiração bandas como Thrice, Deftones e Fresno”.
“Dentes” foi lançada como single em janeiro de 2020.


ventilas (Sorocaba)

Formada em 2017, o duo João Marcos (guitarra) e Matheus Zanetti (bateria) tem um disco lançado, “brinks” (2018).“O duo ventilas não tem o capital de giro necessário para estar entre os principais nomes do rolê alternativo, mas é uma banda completa, com bons riffs, letras sinceras, repertório consistente e fãs que cantam suas músicas durante os shows. Canções como “calejadão”, “gameplay” e “toestory” revelam um passado emo nos dedilhados, influência jazz nos ritmos e semelhanças com Jimi Hendrix, Unknown Mortal Orchestra e Tim Maia.”database.fm.
“toestori” faz parte do disco “brinks” (2018).


Ventos (Votuporanga)

Formada em 2019 por Leo Abe (baixo, guitarra), Fernando Jesus (guitarra), Victor Vieira (bateria) e Maicon Lisboa (vocal, guitarra, baixo), a banda transita entre o indie, o rock triste e o dream pop. Ventos surgiu com o ideal de “transgredir” a cena do noroeste paulista, onde a maioria das bandas são de metal e punk rock. Os integrantes são remanescentes dessa mesma cena e se juntaram para tentar criar novas músicas, com novas camadas, melodia e timbres de forma despretensiosa e sem virtuosidade alguma. As duas músicas disponíveis no canal da banda foram gravadas no quarto do vocalista, com apenas um microfone e mixadas pelos mesmos. A banda segue em atividade, ainda que meio devagar por motivos de pandemia, porém, com algumas músicas a serem finalizadas.
Você pode ouvir as músicas no canal do Youtube da banda.


WRY (Sorocaba)

Formada em 1994 e hoje com Mario Bross (vocal, guitarra), Luciano Marcello (guitarra, backing vocal), William Leonotti (baixo, backing vocal) e Italo Ribeiro (bateria, backing vocal), WRY já lançou seis discos, quatro EPs e vários singles. A banda, influenciada por post-punk e shoegaze, tem músicas em português e inglês e já fez turnês pelo Brasil e Europa. Seu disco mais recente, “Noites Infinitas” (2020), lançado pela OAR (Boogarins, Particle Kid) “explora temas de ansiedade, desespero e caminhos não convencionais em direção à esperança enquanto se vive no mundo dividido de hoje”.
“Sister” faz parte do EP “Whales and Sharks” (2007).


Zero To Hero (Taubaté)

Formada em 2017 e hoje com Pedro Cursino (baixo, voz), Danilo Camargo (guitarra, voz) e Nicolas Brown (bateria), a banda tem dois EPs, “Bad Situations” (2018) e “Do Anything” (2018), e um disco, “Breakwalls & Buildbridges” (2019), lançados. “Nascida em Taubaté, SP, berço de Cid Moreira, Hebe Camargo e, claro, da grávida, a Zero To Hero é uma banda de rock’n’roll um cadinho mais pesado que Engenheiros do Hawaii. Desde 2017, o projeto mistura elementos de diversas vertentes do emo, punk e rock em composições sobre o cotidiano, relacionamentos, conflitos pessoais e problemas psicológicos”.
“Self-medication” faz parte do disco “Breakwalls & Buildbridges” (2019).


Fizemos playlists com as músicas disponíveis nos streams, mas como faltam várias bandas eu recomendo muito que você ouça no Bandcamp.

Deezer aqui.


Eventos / Resenhas

Ventos e The Overalls no Podrão

Pra contexto: Fernandópolis é uma cidade de 68 mil habitantes no noroeste paulista, uma região de cidades “gêmeas”, pois são todas iguais: pequenas e sem muita coisa, o famoso cu do mundo onde nada acontece. Alguns amigos brincam que literalmente nada acontece: nada de bom e nada de ruim.

Foi aqui que há poucos anos surgiu o Podrão Underground Bar. Diferente da maioria dos bares alternativos (detesto quando essa palavra é usada nesse contexto) daqui, que exclusivamente contratam bandas cover e/ou exigem um mínimo de horas de show, como se estivessem alugando uma jukebox, o Podrão é um lugar bem agradável. E pequeno.

Além de eventualmente hospedarem shows de bandas autorais (coisa que não tem muito na região), vez ou outra trazem bandas internacionais pra cidade. Quando anunciaram o show fiquei surpresa e feliz com a presença da Overalls, que não é uma banda de metal (basicamente é só isso que tem por aqui).

Foi aqui, também, que surgiu a Ventos, banda recém nascida, de Votuporanga. Conhecidos de outras bandas, eles se juntaram pra agora fazer um som com as novas influências e diferente do que tem por aqui.

Eles misturam emo com dreampop e as vezes bebem na fonte da MPB, um amigo descreveu como “um som bom pra colocar no fim de tarde e fumar um apreciar”. É mesmo um som bem gostosinho com guitarra aguda, de letra “triste, melódica e sincera”, por vezes também falando de um certo mito que foi quebrado.

Eu diria que assistir ao show num lugar pequeno e com pouca luz, como o Podrão, foi aconchegante. Esse, que inclusive, foi um dos primeiros shows da banda. Com oito músicas prontas, eles pretendem gravar algo ainda esse ano e por isso coloco aqui um video:

Eu não conhecia a Overalls antes do anúncio do show, ouvi algumas músicas na internet e não formei opinião nenhuma. Imaginei que o show seria ao menos interessante, jamais imaginei que seria tão divertido. Essa é a única palavra que consigo pensar pra descrever o show: divertido. Com direito a tentativa de crowd surfing e wall of death carinhosa (pois ninguém machucou ninguém).

Eu não sei descrever o som da Overalls, mas as vezes me aparenta uma mistura de Muse e nu metal (provavelmente vou ler isso daqui uns dias e dar risada, é melhor você mesmo ouvir).

Depois do show, no disputado sofá ao lado da mesa de merch, eu virei intérprete dos meus amigos e a banda sem ao menos perceber. Pessoal muito simpático (ambos).