Bus Ride Notes
Resenhas

DEF – Sobre os Prédios que Derrubei Tentando Salvar o Dia (Parte 2)

Meu coração anda mais apertado que os trens da central: a DEF retorna triunfante na segunda parte de “Sobre os Prédios que Derrubei Tentando Salvar o Dia”.

Três anos após surgir com o EP “Sobre os Prédios que Derrubei Tentando Salvar o Dia (Parte 1)”, lançado pela finada Bichano Records, a DEF está de volta com a segunda parte do trabalho. “Sobre os Prédios que Derrubei Tentando Salvar o Dia (Parte 2)” foi lançado em Setembro de 2019, dessa vez pela PWR Records.

Agora um quarteto, a banda carioca conta com Deborah F. (guitarra, voz, violão, teclado), Eduarda Ribeiro (voz, guitarra), Dennis Santos (bateria) e Victor Oliver (baixo). Já fica aqui o primeiro destaque do álbum: a nova formação da banda se mostra afiadíssima alternando entre momentos serenos e dançantes, sem perder a beleza das melodias.

O espaço de tempo entre um lançamento e outro parece ter feito bem ao amadurecimento e sofisticação do som do grupo, e isso fica explícito logo na primeira faixa.

“Alarmes de Incêndio” foi o primeiro single do novo álbum, com direito à videoclipe. Talvez seja a faixa que mais lembra a parte 1 de “Sobre os Prédios…”, porém, aqui a banda já dá sinais de maior confiança para explorar o próprio som.

Deborah narra momentos inquietantes em que incêndios irrompem dentro de nós, a sensação de sufocar em si mesmo e de se perder em lugares antes tão comuns.
“Meu coração anda mais apertado que os trens da central”, canta a vocalista acompanhada da explosiva bateria de Dennis Santos.

A segunda faixa, “Descanso”, é um belíssimo e breve instrumental de violão que suavemente deságua em “A Cidade em que Apenas eu Existo”. O nome da faixa foi tirado do anime “Boku Dake ga Inai Machi”, lançado em em 2016. Aqui vemos Deborah se firmar como a letrista de expressões intensas que já se anunciava desde o primeiro EP.

A angústia em meio a prédios e ruas, e o sentimento de urgência para salvar o dia nesse emaranhado urbano acompanha todo o álbum. As letras soam como cartas brutalmente sinceras e confessionais e, no seu tom monótono, Deborah parece se dirigir a si mesma em diversos momentos sem medo de soar vulnerável, “como quem põe Deus para descansar”.

“Nada” é um exemplo do potencial letrista de Deborah, compositora de todas as músicas, exceto “Sardas”. Assinada por Eduarda Ribeiro, essa é uma ótima surpresa no meio do álbum. As estações do ano recebem o peso de uma tonelada quando o refrão marcante reivindica “a calma de ter mais um verão”.

A banda pode até ter puxado o freio nas distorções que ouvíamos em músicas como “Bad Trip” do primeiro EP, mas agora põe o pé em recursos eletrônicos (como nos teclados de “Sardas”) e mergulha fundo nas melodias com as duas guitarras da nova formação.

“Casa (Paulo)” é  um ponto fora da curva cravado entre as demais músicas do álbum, e isso não é ruim! A banda parece ter guardado as melodias mais criativas para as faixas finais.  O baixo à la The Smiths brilha e também não dá trégua na faixa seguinte, “Abutre”.

“Paraquedas (Boddah)” segue com vocais emendados num tocante spoken word, marca registrada da leva de bandas do emo brasileiro saídas da Bichano Records.

A última música é “Arranha-Céu”, uma das mais belas já feitas pela banda. Enquanto esbarra em prédios altos, Deb continua se questionando sobre os céus e os medos que descem de lá. “Mas se o avião me atropelar? Se meu amor não souber voar?”, questiona.

A parte mais difícil de salvar o dia derrubando prédios é que no dia seguinte teremos de encarar os escombros deixados por nós mesmos ali. “Sobre os Prédios que Derrubei Tentando Salvar o Dia (Parte 2)” reconhece isso em cada uma de suas músicas. Reconhece que salvar o dia também é conseguir um refúgio para respirar em paz, longe desse ar que às vezes parece ser feito de chumbo e concreto.

A arte da capa é assinada por Virgínia Moura, a mesma ilustradora do primeiro EP. A mixagem, masterização e gravação tem novamente a assinatura de Pedro Garcia (Planet Hemp/ Estúdio Canto dos Trilhos), além da própria Deborah F.