Bus Ride Notes

Posts tagged 015

Entrevistas

The Biggs: 25 years and running

Esse foi um dos textos mais difíceis que eu já escrevi. Tenho tanta coisa pra falar sobre The Biggs que eu não conseguia traçar uma linha de raciocínio.

A banda de Sorocaba, SP completa 25 anos em 2021 (pois é, caro leitor, é possível que a banda seja mais velha que você) e os convidamos pra falar sobre isso, e mais, em uma entrevista.

Formada por Flavia (vocal, guitarra), Mayra (baixo, vocal) e Brown (bateria), Biggs toca um punk influenciado pelo grunge. Eles têm dois discos lançados, “Wishful Thinking” (2001) e “The Roll Call” (2007), além de duas demos, um EP e vários singles. A banda também fez parte da efervescente cena riot grrrl brasileira no começo dos anos 2000.

Abaixo você confere nossa entrevista com a vocalista Flavia e a importância que a banda tem pra cena independente.

Vocês podem falar um pouco sobre a banda pra quem não conhece?

Nós somos um trio, eu (Flávia), Mayra e Brown. A banda começou em 96. A primeira formação tinha a Janaína no baixo, em 2001 entrou a Mayra e tá até hoje, já passaram 20 anos, né?

Fazemos um som que passeia entre o grunge e punk, com influências do riot grrrl, do empoderamento feminista e rock ‘n’ roll. A gente gosta mesmo é do bate cabelo.

Como a banda começou? E quais foram algumas das suas influências?

Eu gostava de rock e era envolvida com o movimento punk de Sorocaba. A gente ia nos shows, assistia as bandas e eu sempre achei muito legal, só que percebia que havia uma ausência de mulheres tocando e aquilo me incomodava bastante. Eu percebi que tinha que mudar isso.

Naquele mesmo contexto, do começo dos anos 90, tinham diversas bandas influentes que vinham pro Brasil, L7, Nirvana… eu vi e falei: quero muito tocar em uma banda.

Eu sempre gostei de tocar, mas nunca quis ser virtuosa, aí comecei a me envolver com o punk e ele dá essa liberdade, do “faça você mesma”, você poder fazer um som com três acordes, poder se expressar musicalmente independente de ter conhecimento de teoria musical.

Então a influência foi mais do punk, riot grrrl, grunge, do “faça você mesma”, poder se expressar através da música independente de ter conhecimento de técnica é uma maneira mais livre de se expressar.

O que tava rolando na cena naquela época no Brasil? E em Sorocaba?

Sorocaba sempre teve uma cena efervescente de bandas independentes, sempre tinha algo rolando. Tem uma banda do começo dos anos 80, chamada Vzyadoq Moe, que ficou bem famosa no underground. Depois teve WRY, contemporânea da gente, que também existe até hoje.

A cena principal em 98 eram o que a gente chamava de guitar bands, essas bandas com referências como Sonic Youth, por exemplo, onde o som da guitarra fica na frente. Nós fazíamos muitos shows em casas noturnas em São Paulo, Campinas, Piracicaba… E muitas bandas com as quais a gente sempre tocava junto, mesmo em São Paulo, ainda existem, como Pin Ups.

Também haviam as bandas da cena riot grrrl de São Paulo. Dominatrix, em que eu toquei de 2001 até 2007, Hats, Las Dirces… São tantas bandas daquele período, a gente tinha uma cena bem forte, sempre fazíamos festivais no Hangar. Foi um momento bem massa pra bandas com mulheres na formação.

Por que vocês escolheram falar sobre feminismo?

Na verdade não tem como separar uma coisa da outra. Somos mulheres, vivemos em uma sociedade machista, sob o patriarcado… Então toda expressão que venha da gente tem essa influência de querer romper com esses dogmas e padrões que nos oprimem durante a vida.

Nós nunca fomos de usar jargões nas letras, o conteúdo era mais implícito, mas a postura, a militância sempre foi algo inerente na nossa vida.

Como isso foi recebido pelo público no começo da banda?

Tivemos bastante dificuldade. Hoje, em 2021, ainda temos resquícios de uma cena majoritariamente masculina e naquele período, fim dos anos 90, era muito mais.

O riot grrrl como movimento feminista dentro da cena punk, do alternativo, do hardcore, surgiu justamente pra isso, pra romper com o status quo, com esse modelo.

Uns caras ignorantes sempre apareciam nos shows e hostilizavam a banda, gritavam coisas pra gente, tentavam dimimuir ou subestimar a nossa capacidade, mas acabavam tendo que engolir seco. E não só o público, como caras bêbados falando besteira, mas também técnicos de som.

Ainda bem que hoje em dia cada vez mais mulheres e pessoas não binárias têm tomado conta da graxa, que é como chamamos a parte técnica, e isso é importantíssimo pro empoderamento de todo mundo. Mas durante muito tempo tivemos que conviver com técnicos de som que não botavam fé nas bandas ou queriam mexer no nosso equipamento, “deixa que eu arrumo pra você”, como se a gente não soubesse.

Haviam também os cumprimentos, durante muito tempo eu ouvi “Nossa, que legal sua banda, você toca bem, você toca igual homem”.

Isso era antigamente, eu percebi que mudou muita coisa em relação ao respeito e valorização das mulheres na música, mas isso foi uma luta árdua durante muitos anos.

Fico feliz que hoje os festivais e todo tipo de mídia têm tido essa preocupação de colocar mais mulheres, mais pessoas negras, pessoas LGBTs nas suas programações e isso é uma conquista do movimento feminista, do movimento punk, da contra cultura, dessa luta que passamos durante todos esses anos.

Já fazem 20 anos e certamente evoluímos um tanto quanto cena, hoje quando vocês tocam em uma cidade onde o pessoal não necessariamente conhece a banda vocês veem muita diferença na recepção do público?

No nosso último disco de estúdio, “The Roll Call”, as letras são sobre loucura, rock ‘n’ roll, se jogar no role, relacionamentos… Então acho que o que mais faz o público se engajar com a gente é a nossa energia ao vivo.

Porque nós cantamos em inglês, a maioria do público nem sabe o que a gente tá falando. Eu costumo dizer no começo das músicas “A música fala sobre isso, isso e isso”, mas a energia da apresentação ao vivo é o que faz as pessoas se jogarem.

Hoje em dia o público recebe muito bem porque, modéstia à parte, a gente derruba o teto do role. E nos últimos anos os convites têm sido devido a isso mesmo, por já conhecerem a banda, por já ter um público… e quem nunca viu paga um pau.

E eu fico feliz por existirem muitas bandas com mulheres, mas não tem muitas de rock pesado. Tem muitas no metal, mas na cena indie e independente dá pra contar na mão. Quer dizer, isso as que a gente conhece. Deve ter umas 20? Num país desse tamanho…

Esses dias eu tava conversando, “Será que o rock saiu de moda?”. Mas acho que sempre vai ter, enquanto tiver alguém fazendo um som numa garagem, tocando uma guitarra alta e distorcida, vai ter rock.

Antes e depois da formação da Biggs vocês tocaram em várias bandas e tocaram outros projetos também. Vocês podem falar um pouco sobre isso?

Eu toquei no Dominatrix durante muitos anos, e já tive outros projetos como Caos Dentro, Great Great Comet, que são duos de som alternativo.

O Brown e a Mayra já tocaram com muitos outros projetos também. Mayra tem o Human Trash, The Dealers, Lost Cuts que é o projeto solo dela.

A gente tá aí se expressando nas diversas formas que a música proporciona.

Você foi a idealizadora do Girls Rock Camp Brasil, certo? Você pode falar um pouco sobre ele e como começou? O Girls Rock Camp Brasil também se mistura muito com a cena Riot Grrrl brasileira, não?

Tem tudo a ver. O Rock and Roll Camp For Girls começou nos EUA em 2001, em Portland que é a cidade berço do riot grrrl mundial. Eu conheci o projeto em 2003, quando fui fazer turnê com o Dominatrix nos EUA, e falei “Nossa, que coisa maravilhosa”. Porque tem tudo a ver você juntar essa proposta de poder se expressar através da música e esse posicionamento feminista, e naquele momento eu me apaixonei.

Voltei pro Brasil e comecei a fazer uma atividade chamada Oficina de Guitarra Para Meninas, baseada nessa ideia. Depois disso fui ser voluntária no Rock and Roll Camp For Girls de Portland algumas vezes, aí fiquei com essa ideia “Preciso fazer aqui no Brasil”.

Então eu fiz um chamamento nas redes sociais e entre minhas amigas da cena feminista daqui, e foi uma adesão total porque tem tudo a ver com a gente. A gente também sabia que precisava se articular de alguma forma pra passar esse bastão de empoderamento feminista através da música, e nesse chamamento todo mundo dessa cena entrou na brincadeira. O Facebook ajudou muito pra fazer essa articulação online.

Eu ofereci pra fazer em Sorocaba, pois sou professora de sociologia aqui e pedi pra direção da escola pra fazer lá. E foi mara. Tem sido muito legal até hoje.

Nós paramos devido à pandemia, fizemos a última atividade em 2019. Fazemos o Girls Rock Camp para meninas e menines de 7 a 17 anos e o Ladies Rock Camp para adultes acima de 21 anos.

Em 2019 nos organizamos pra alugar um espaço, pois até então fazíamos de maneira itinerante em escolas e sindicatos da cidade. Alugamos em dezembro de 2019, fizemos a reforma e todas as adaptações em janeiro de 2020 e em março, na semana que iríamos inaugurar, veio a pandemia. Ainda estamos com o prédio, mas não fizemos nenhuma atividade, temos feito todas online.

Girls Rock Camp Brasil

Em 2021 Biggs completa 25 anos e isso é uma vida inteira, são histórias demais pra contar. O que vocês acham que foi marcante como banda ou o que vocês gostariam de compartilhar?

Eu acho que o mais legal é que nós somos amigos. A gente gosta de fazer som junto, a gente se diverte, a gente se ama. A gente sente a energia de estar junto quando estamos fazendo um som, é uma energia muito boa que flui desse trio.

E ao longo do tempo podemos dizer que o rock e ter uma banda de rock proporcionou os melhores roles, sabe? Os melhores amigos, os melhores amores… Você poder viajar, conhecer gente, trocar experiências, as turnês… Você se conectar com as pessoas através da música é uma coisa muito poderosa e um prazer muito grande.

Eu sempre recomendo pra todo mundo ter banda porque é muito legal. E também como forma de empoderamento, acredito que ter uma banda e tocar um instrumento me ajudou demais a ser quem eu sou, como cidadã, como militante, como mulher, como pessoa.

Acho que você poder se expressar através de um instrumento, poder compartilhar com outras pessoas a energia da música e estar com seus amigos, não tem coisa melhor.

Turnê argentina, 2007 (Mayra, Brown, Flavia)

O que podemos esperar nesse ano comemorativo pra banda?

Estamos com planos pra esse ano, mas com a pandemia a gente acaba se perdendo no tempo.

Estamos planejando um livro de fotos e textos sobre a história da banda, planejamos também um mini documentário e quem sabe um disco de vinil. Em todos esses anos ainda não tivemos nenhum lançamento nesse formato.

Demos

Estamos em parceria com a Lastro Musical, um selo aqui de Sorocaba, e também contando com a força da comunidade reunindo fotos e juntando esses materiais.

Já demos início a tudo isso e planejamos concluir até dezembro, mas se não der, estamos tranquilos, não tem problema sair no ano que vem.

Últimas considerações? Algum recado?

A mensagem que eu deixo é: a música faz bem pra todo mundo e registrar é super importante, acho que produção de material é historia, é nossa vida, é a vida da comunidade. Quanto mais pessoas produzirem material, não só música, mas registros em geral, melhor é pra todo mundo.

E que a gente possa se encontrar em breve num show bem cheio, todo mundo encostado, com muita aglomeração.

A discografia do Biggs está disponível nas redes de stream. Não deixe de seguir a banda nas redes sociais pra acompanhar as novidades e colabore com o Girls Rock Camp Brasil.


Resenhas

Como Diria Eugênio: Longa História, Breves Fins

Eugênio é uma banda indie formada em 2017 em Sorocaba e hoje composta por Sthé Caroline, Murilo Shoji, Lud Marolli e Paulo Lins.

“Como Diria Eugênio: Longa História, Breves Fins”, lançado em Junho de 2020, é o segundo EP de uma trilogia sobre dor, perda e superação.

O primeiro EP, “Como Diria Eugênio: Um Pouquinho de Nada”, foi lançado em 2018 quando a banda era um trio e foi regravado e relançado em 2019, depois da entrada da baixista Lud.

Quando há uma mudança de integrantes, a mudança na sonoridade da banda nem sempre é óbvia, mas aqui a gente consegue ver uma grande diferença, não só no baixo que ficou mais “visível”, mas em todo o resto. O som do novo EP é mais encorpado, enche todo o ambiente e não deixa espaço pra distrações. Se isso foi planejado ou não, resta perguntar à banda.

Nesse EP eles focaram no instrumental e eu usei indie pra descrever o som dele, mas dentro disso cabe um mundo de coisas. Algumas vezes a sonoridade me faz pensar no rock ‘n’ roll psicodélico (também focado no instrumental).

Já no começo vemos a lenta “Sentir” seguida da mais animada do EP, “O Homem Que Não Respira”, que vai deixar o refrão grudado na sua cabeça.

“Foi Mal” foi lançada como single em Maio, junto de seu clipe (dirigido e editado por Murilo Shoji), gravado já durante a quarentena.

“Curta Estadia” foi a segunda música a ganhar clipe, também lançada como single antes do lançamento do EP. O clipe foi dirigido por Eduardo Guerra e produzido em parceria entre Egrégora Filmes e Bonobo Produções.

“Um dos principais fatores enfrentados durante o reconhecimento de uma grande dor é ter de lidar com a ideia da solidão. Por vezes, após percebermos que somos nosso próprio inimigo, nos direcionamos para o perigoso caminho que indica que devemos nos odiar. Odiar nossa mente; nosso corpo e nossa história. ‘Curta Estadia’ reflete o momento em que Eugênio se olha diante de um espelho invisível e entende que, acima de seu próprio inimigo, é também a sua maior companhia”.

Segundo a banda, “A ideia é mostrar nesta trilogia o ciclo de sentimentos. O primeiro trabalho foca em tratar a dor em todos os seus formatos, seja emocional, física, passional, cognitiva. O segundo trata do reconhecimento dessa dor e o conflito entre a aceitação e o plano de fuga. E o terceiro trata da superação, seja ela com ou sem final feliz”.

“Como Diria Eugênio: Longa História, Breves Fins” está disponível nas redes de stream.