Bus Ride Notes
Entrevista / Resenha

Cosmogonia: o começo

Eu demorei bastante pra conhecer a Cosmogonia. “Como assim? Você fez um blog só pra falar de música”, pois é, ainda hoje há uma grande invisibilidade de bandas, mesmo nos lugares que se dizem alternativos e underground, imagina antes da internet?

Quando você pesquisa sobre as origens do riot grrrl no Brasil você só encontra Dominatrix (aliás, a Elisa já fez parte da Cosmogonia) e Bulimia. Uma banda que cantava em inglês e uma que cantava em português. Entenderam o raciocínio?

Eu sei que é algo que acontece em todo lugar, também demorei pra conhecer várias bandas gringas importantíssimas, mas não consigo deixar de ficar surpresa.

Há tempos eu penso em escrever sobre a Cosmogonia, mas sempre me enrolei. Não fiz resenha do EP novo porque pensei “Poxa, a banda tem muita história pra fazer só uma resenha” e por outro lado eu também pensei “Poxa, eu não sou jornalista, vou deixar passar muita coisa importante numa entrevista”. Muita enrolação depois, resolvemos publicar um pouco dos dois, escrito por mim (Livia) e pelo Junio.

Como diz Ignite: conheça a sua história!

Cosmogonia foi fundada em 1993 em Osasco, SP por Elis e Renata, duas professoras que sentiram falta de representatividade nos palcos da cena punk rock/hardcore e decidiram montar uma banda feminista composta por mulheres.

Desde então, a banda foi ocupando os espaços e transmitindo a sua mensagem, que é a luta por uma vida mais igualitária, inclusiva e justa para todas as pessoas, não importando seu gênero, raça, orientação sexual e condição social.

Uma das características da Cosmogonia é que muitas integrantes já passaram por ela.

Entre 1997 e 2006 elas lançaram uma Demo, um EP, um single e músicas inéditas em coletâneas.

As primeiras músicas da banda têm aquela sonoridade que a gente não sabe explicar muito bem e chama de punk com pegada brazuca, aquele som característico que qualquer pessoa no mundo que ouvir sabe que foi feito no Brasil nos anos 90.

“O Sentir Que Violenta”, single lançado em 2006, tem um som diferente do que elas tinham feito até então. Um hardcore um pouco menos melódico. A letra fala sobre como o silêncio é o cúmplice da violência contra a mulher.

Pouco tempo depois, em 2007, a banda entrou em hiato.

Abaixo você lê uma entrevista com Elis sobre essa época da banda e um pouco mais.

Fale um pouco de você, como começou seu interesse pela música?

Bom, eu cresci no meio da música. Meus irmãos mais velhos desde os anos 70 já curtiam rock e meu pai trabalhou na Ordem dos Músicos do Brasil (OMB), então desde nova a música já fazia parte da minha vida. Comecei no rock clássico, depois foi para o metal e finalmente me identifiquei no punk/hardcore.

Quem estava na primeira formação da Cosmogonia?

A primeira formação da Cosmogonia era eu, a Renata e a Vanessa.

Como surgiu a ideia de se juntar e montar a banda?

Eu e as meninas já frequentávamos a cena, tínhamos amigos, íamos muito em shows e a gente notava que não haviam bandas que nos representassem como mulheres. Sempre eram os homens tomando as frentes e praticamente tudo era feito e vivenciado por eles. Tínhamos essa visão e isso nos incomodava bastante. Apesar da cena naquela época já ser um “ambiente libertário”, como éramos professoras sempre preocupadas com conteúdos, conhecimentos e práticas, notávamos que na realidade, de libertário não havia nada… Faltava muita coisa pra ser dita e exposta.
Então, começamos a conversar sobre montar uma banda, fazer shows e levar nossa mensagem pra outras garotas. Já tínhamos uma bagagem para escrever as letras e aí começamos a aprender a tocar em casa, com ajuda de amigos e então a banda foi acontecendo. Ficamos sabendo o que estava acontecendo nos EUA e isso reforçou também pra que a gente continuasse seguindo nossa vontade de fazer a banda acontecer. Se lá estava rolando, também poderíamos fazer rolar aqui e assim, conciliamos tudo ao mesmo tempo e as coisas foram fluindo, bandas foram surgindo também, shows e festivais e os coletivos também começaram a se organizar.

Como foram os primeiros shows?

Os primeiros shows nossos foram em bares em Osasco, organizados por coletivos. Lembro de muitos homens de braços cruzados na nossa frente e várias meninas acuadas. Acredito que todos estávamos aprendendo a lidar com o fato das meninas ocupando esses espaços. Porém resistimos, esse sempre foi nosso foco, a resistência.

A gente sabe que nos EUA, além das bandas, houve muita movimentação por meio de zines e grupos de debates né. Como vocês observavam o movimento riot grrrl nos EUA em relação ao que estava acontecendo aqui no Brasil?

Na época, mesmo ainda sem termos acesso à internet, sempre observamos a cena fora do Brasil com um olhar de admiração. É muito inspirador ver mulheres tomando as frentes e fazendo o que geralmente eram só homens que faziam. Isso sempre nos motivou a continuar seguindo, mesmo com todas as dificuldades que tínhamos. Então, fomos fazendo da nossa maneira, errando, acertando, mas sempre construindo.

Nos anos 90 havia espaço para debates de gênero na cena independente brasileira?

Era muito raro um espaço para esse tipo de debate. A cena, apesar de se afirmar inclusiva, sempre foi excludente, e por isso foi preciso muita perseverança e tentativas de ir ocupando esses espaços e levando nossas mensagens.

Como foram as primeiras gravações?

Apesar da nossa imensa vontade de fazer acontecer, um grande obstáculo era a questão financeira. Todas nós tínhamos dificuldades, então sempre foi muito difícil conseguirmos juntar grana pra conseguir gravar.

Na época havia comunicação entre outras bandas formadas por mulheres nos outros estados?

Havia sim! Nos comunicávamos bastante por carta, porque até a internet era limitada. Não é todo mundo que vivenciou isso, mas havia limite de horas mensais para acessar a internet haha. Mas chegamos a usar também o mIRC pra falar com bandas de outros locais. Fizemos muita amizade com as meninas do Bulimia e a gente se ajudava quando rolava show em nossas respectivas cidades, com acomodação e etc.

Como foram as primeiras viagens?

Nossas primeiras viagens foram para cidades do interior de SP: Campinas, Sorocaba e litoral. Depois também tocamos em diversas outras fora daqui: Brasília, Goiás, Londrina, Rio, Salvador… Nossas viagens sempre foram surreais. Já viajamos em avião assim que lançou o filme “Premonição” (todo mundo do avião achou que ia morrer), de bus clandestino fretado de Brasília onde achamos que eles drogaram os passageiros, um show em Pirituba que um cara entrou atirando… Mas, enfim, sempre que viajávamos ficávamos nas casas de amigos nas cidades e fomos super acolhidas. Uma vez voltávamos de um show em Campinas com Cosmogonia, Bulimia e Kólica, estávamos indo para minha casa, todas numa perua (aquelas antigonas) e na estrada sofremos uma emboscada de uns ladrões ao sair de um posto de gasolina. Enfim, eles nos cercaram com armas e ameaçaram levar minha filha, que na época tinha entre 11/12 anos, se não déssemos todos os instrumentos e dinheiro. A Berila, baterista do Bulimia, falou que tinha uma grana boa que estava vindo de Brasília e que dava tudo se soltassem minha filha, enfim eles aceitaram. Levaram todo o nosso dinheiro também, do motorista e das outras meninas, mas graças soltaram minha filha.

Como foi a questão da banda continuar sem nenhuma integrante da formação original?

A Cosmogonia sempre foi uma banda muito acolhedora, onde passaram diversas mulheres fodas que sempre somaram umas com as outras e com a banda em si. As meninas que seguem com a banda atualmente fizeram parte da banda nos anos 2000 e também tive uma história com elas, que continuo tendo até hoje. Foi maravilhoso e inexplicável o sentimento que tive de ver a banda reviver e continuar com a nossa resistência e luta. E eu amo muito essas mulheres, que agora também estão continuando e perpetuando com a história da banda. 

O que você faz hoje em dia?

Atualmente moro nos EUA, tenho duas filhas e um neto. A minha filha mais nova já participa do Orlando Girls Rock Camp e está numa banda de garotas tocando guitarra. Nessa quarentena, fizeram uma música e até um clipe.

O que anda ouvindo de novo?

Bom, ainda sou fãzona da Cosmogonia, mas também tenho uma um gosto bem crazy. Algumas bandas que ouço e que curto: Pennywise, Hole, Nathan Gray, Boysetsfire, Bad Cop/Bad Cop, Nueva Etica, Sleeping With Sirens, Againts Me!, Bring Me the Horizon, Saosin, My Chemical Romance, Glória, Fresno… que eu preciso diariamente.

Obs.: Acho importante dizer que o riot grrrl não foi só um gênero musical, ele foi a terceira onda do feminismo, que coincidiu em ser através da música.

A discografia da Cosmogonia está disponível no Bandcamp e redes de stream.